5 dicas de gestão de estoque para um loja sustentável

OurCompany

Gestão de estoque é a dificuldade mais comum no varejo. Encontrar o equilíbrio entre a demanda e a oferta é difícil e pecar pelo excesso ou pela falta é prejudicial para a saúde da loja.

Ter um grande volume no estoque parece vantajoso por ter um potencial de vendas maior, porém, se a compra for errada e os produtos não girarem, é o seu dinheiro que fica parado. Por outro lado, se comprar um volume menor, você pode sofrer com rupturas de vendas e perder muito mais que o valor do produto em si.

Por isso, acompanhar de perto o estoque e comprar corretamente é a melhor forma de garantir o bom desempenho da operação.

Hoje, trazemos as principais análises de forma simples e clara que podem ser feitas para entender a fundo a situação atual do seu estoque.

1. Meta de estoque

Ter uma meta de estoque em valor de vendas é importante para ajudar a prever gastos futuros e a evitar rupturas de vendas. Caso você ou sua rede não tenha uma por padrão, pode calculá-la considerando 20% a mais da sua meta de vendas para aquele mês ou período. Essa porcentagem a mais é para que você tenha em estoque um valor que possa bater a meta de vendas e até superá-la, mas, claro, a qualidade dele é o que vai definir realmente como serão as suas vendas.

2. Produtos sem giro

Como dito no começo desse texto, produto parado imobiliza o seu capital de giro e ainda ocupa espaço físico da sua loja que poderia ter outros itens mais rentáveis e com maior fluxo. Atente-se àqueles que não saem há mais de 30 ou 60 dias, dependendo do ciclo de vida dos produtos da sua loja ou rede. Além disso, a situação é pior quando há itens inativos na rede, como aqueles classificados como “fora de linha”.

3. Produtos zerados

Igual aos produtos sem giro, itens zerados também são um problema que afeta diretamente no seu faturamento por conta de rupturas de vendas. É fundamental não deixar acabar produtos que estão em linha e antecipar suas compras para que isso não aconteça. E, mais do que isso, dedicar uma atenção especial aos produtos considerados A da Curva ABC, pois, se eles possuem uma boa saída com um preço médio representativo, você não vai querer perder vendas porque ele acabou, certo?

4. Cobertura de estoque alta

Da mesma forma que olhar a capacidade baixa é uma maneira de prevenir estoque zerado, olhar para a capacidade alta ajuda a prevenir que você fique com produtos sem giro e imobilizando o seu capital.

Um ponto de atenção é para produtos sazonais. Por exemplo, ao entrarmos no outono/inverno, é comum que itens dessa temporada, como casacos e edredons, estejam com a capacidade alta, uma vez que não venderam muito nos últimos 60 dias. Por outro lado, se o inverno está acabando e você ainda tem uma boa quantidade desses produtos, é um alerta para realizar promoções para não ficar com eles parados no seu estoque durante as próximas estações.

5. Ranking ABC dos últimos 90, 60 e 30 dias

Outra análise interessante para se fazer com a Curva ABC é comparar mudanças no ranking entre 90, 60 e 30 dias. Por exemplo, no ranking dos últimos 90 dias, determinado produto está em primeiro, mas diminui nos outros períodos. Esses casos são interessantes de se analisar, pois pode acontecer por ser o ciclo de vida natural do produto ou porque ele esgotou no seu estoque.

Fonte: http://franchiseintelligence.com.br/gestao-estoque-analises-para-uma-loja-sustentavel/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *